Top Coat sem camada pegajosa. Tem que limpar? 

 De acordo com o The Journal of Allergy and Clinical Immunology de agosto de 2021, sim, independente da marca. Pois mesmo com a tecnologia sem camada pegajosa, ainda pode ficar algum resíduo sem ter curado completamente, podendo causar alergias. 

 

Algo que pode aumentar a chance de alergias e absorção da pele é aplicar o óleo de cutículas - que tem a função de gerar penetração e absorção da pele - que acabará fazendo essa camada não curada ser absorvida na pele. 

Outro fator importantíssimo é o uso dos EPIs. O profissional que não utiliza luva pode acabar tendo contato a superfície do produto em sua própria pele e contrair alergias.  

 

Após a limpeza da superfície o cliente deve higienizar as mãos com água e sabão, preferencialmente líquido para que as moléculas não curadas sejam removidas. E só então o óleo de cutículas poderá ser aplicado. Caso o profissional tenha contato sem luvas, também deverá realizar este procedimento.  

Concluindo, todo Top Coat sem camada pegajosa deve ser higienizado para evitar alergias.

De que forma você educa a sua cliente?

Para início de conversa, nem todo sistema ou serviço atende a todos os clientes. É uma questão de entender cada caso em uma conversa inicial com seu cliente. 

Por exemplo, uma unha fraca e flexível dificilmente se adapta à esmaltação em gel. A cada novo lixamento de manutenção e reaplicação a deixará cada vez mais fina. O que pode ter funcionado pela primeira vez, pode não funcionar mais. Talvez a qualidade das unhas de seus clientes necessite ser reforçada antes de fazer o alongamento. 

  

Algumas formas para educar os seus clientes: 

 

- Não tente fazer o que você não domine. Estude, pratique e só quando sentir segurança, ofereça o serviço. 

- Instrua seus clientes que tipos de alongamentos dependerão de como estarão as unhas naturais no momento do serviço. Unhas danificadas não são para fazer alongamentos! São para se cuidar e só depois poderá realizar o serviço. 

- Se não obteve um resultado esperado com o alongamento, não culpe seu cliente! Pode ser sua culpa por não ter avaliado as condições das unhas ou não ter feito uma preparação corretamente. 

- Explique ao seu cliente como funciona a manutenção e formas exatas de cuidar de seus alongamentos. 

- Empodere-se, você é o profissional de unhas e deverá educar os seus clientes desde a primeira visita. 

- Com confiança em seus serviços e protocolos, explique eventuais problemas que possam ter ocorrido. 

- Não aceite serviços com longa duração sem problemas. A manutenção precisa ser feita no tempo delimitado por você. 

- Uma situação que ‘não acontece com nenhum outro cliente' apenas demonstra que cada cliente é diferente entre si. 

 

Muitos profissionais são inseguros. Novamente: você é o profissional de unhas e o cliente geralmente é leigo no serviço ofertado. Eduque-o e compreenda os seus desejos. Além disso, preze sempre por produtos de alta qualidade. Pois você sabendo o que faz e conhecendo a procedência dos produtos utilizados, dificilmente haverá problemas e se por um acaso alguma coisa ocorrer, você saberá solucionar.

 

 

Criança com unhas alongadas, pode? 

 

Você provavelmente já viu crianças e adolescentes usando alongamento. Sabia que não é indicado e ainda pode te comprometer legalmente? Vamos entender.

 

Crianças e adolescentes ainda estão com as suas unhas em desenvolvimento, macias e têm o leito fraco. Qualquer atrito com o alongamento e complicação que possa ocorrer, poderá deformar a unha, inclusive a matriz. Alguns casos são irreversíveis e o problema seguirá pelo resto da vida. O ideal é não fazer. 

 

Apenas o representante legal direto, ou seja: pai e mãe poderão autorizar um menor a alongar as unhas. Fora isso, NÃO faça.

Você é a sua empresa, defina as políticas para menores e se posicione. Caso o cliente não entenda ou não respeite o seu profissionalismo, talvez esse não seja o tipo de cliente que você precisa, certo?

 

                                                                                              **

 

Óleo de cutícula pode causar alergias? Entenda

 

Pessoas são diferentes, ninguém é igual a ninguém. Alergias podem surgir de formas variadas em diferentes pessoas por diversos motivos. Um deles se dá através de produtos de unha de baixa qualidade. Isso deve estar claro em nossas cabeças, certo?

 

Recentemente (Agosto 2021), uma pesquisa apontou um problema para nos conscientizar que hidratantes para pele em produtos de beleza poderiam estar acelerando processos alérgicos, pois são feitos para penetrar profundamente na pele e com isso poderia levar substâncias não desejáveis para dentro do organismo com maior velocidade.

 

O óleo de cutícula é um tipo de hidratante e uma vez aplicado sobre a pele com resíduos de produtos químicos pode se tornar prejudicial à pele. Um agravante maior aos produtos que necessitam de cura UV, pois uma má cura e principalmente a não limpeza da área após a aplicação do produto, não retirando perfeitamente a camada pegajosa. O que ocorre? Não há uma limpeza da área, apenas a hidratação que, conforme já foi dito, penetra profundamente na pele. Desta forma, levando produtos químicos e impurezas ao nosso organismo. Tenso, né?

 

Como realizar o procedimento com segurança:

 

- Utilizando um pedaço de toalha descartável umedecida com o higienizador (da Adore Professional: o Prep Step Nail Sani). Comece pelo dedo mínimo limpando a unha da base até a borda livre e nunca ao contrário ou de um lado ao outro. Em seguida, passe para as unhas maiores.

- É ainda mais seguro utilizar um pedaço de toalha descartável para cada unha.

- Quantos profissionais desavisados não utilizam o mesmo pano por todas as unhas, na pele e repetidas vezes? Isso significa espalhar produto não curado em toda a pele... CUIDADO!

- Alguns produtos podem não possuir camada pegajosa, mas ainda assim a área deve ser limpa ao terminar o procedimento final, pois ele ainda possui produto não curado na superfície. LIMPE-OS!

 

E o que sempre fazemos depois disso?

 

Passamos óleo massageando em toda a volta da unha e da pele. E é aqui que mora o problema: há produto não curado sob a pele e nós aplicamos óleo!!!

Os estudos mostram que o óleo pode atuar como um ‘intensificador de penetração’. O que isso significa? Significa que estamos atuando como “estimulador na penetração” de potenciais alérgenos (colocando produtos químicos durante a execução do serviço) diretamente nas células vivas da pele! Entende como é perigoso?

 

A pergunta que deve estar martelando em sua cabeça: então o que eu devo fazer?

- Utilize sempre óleos de cutícula, mas apenas após lavar as mãos com sabonete. O óleo evita a evaporação da água, pois alguns procedimentos são nocivos, abrasivos, utilizam solventes, soltam cascas... conduzindo a perda de água e causando ressecamento. A secura é um sinal da ruptura da barreira cutânea, sendo o primeiro passo para uma possível inflamação da pele. 

 

Manicures:

 

- Quando terminar o seu trabalho, peça para suas clientes lavarem as mãos com sabonete e só então aplique loção ou creme hidratante para evitar o potencial surto de alergia.

- Se trabalha com camada pegajosa, remova-a e em seguida lave com sabão antes da próxima etapa do serviço.

- Produtos para unha NUNCA devem tocar na pele. E utensílios devem SEMPRE ser limpos, mesmo trabalhando com luvas.

 

                                                                                         **

 

Você sabia que é ilegal vender produtos de cura UV em lojas de varejo na União Europeia?

 

Em setembro de 2021, o Reino Unido e a União Europeia implementaram esta norma. Pois concluiu-se que produtos de cura UV são estritamente para uso profissional.

Você deve estar se perguntando: Por que isso?


A generalização do processo fez com que o consumidor, assim como profissionais sem instrução, comprasse pela internet, aumentando a demanda e, com isso, novas marcas surgem a cada dia.

Manicure profissional deve usar apenas produtos profissionais


Pode parecer redundante, mas é o que te diferencia do consumidor. Você passou por uma fomação, aprendeu todo o procedimento de biossegurança, química e técnica. De que forma você cobrará o seu preço, se você utiliza produtos que qualquer um pode comprar? SE VALORIZE!

Não caia em papo de vendedor e desconfie SEMPRE de preços muito abaixo do mercado. Seja você é um profissional de unhas ou consumidor, saiba que marcas que praticam esse tipo de concorrência desonesta estão ERRADAS.

Concorrência segura e leal é ótimo tanto para o consumidor, quanto para as marcas. A desonesta é péssima! E quem sai perdendo, é o consumidor e você profissional de unhas, que está de frente para o cliente diariamente e exposto aos riscos.

Produtos com cura UV podem conter em sua formulação elementos alérgenos, por isso o seu manuseio deve ser controlado por um profissional capacitado tecnicamente e com ferramentas ideais que façam a cura correta do produto, caso contrário, complicações patológicas sérias podem ocorrer.

Nós dizemos e reafirmamos:
Os produtos Adore são de uso PROFISSIONAL e devem ser utilizados apenas por quem tenha instrução. Sim, manicure estuda e muito!

Profissionais de unha
Não comprem marcas baratinhas. O BARATO de hoje, cobrará o seu PREÇO amanhã.

Clientes
Não se iluda com marcas que prometem fantasia. Elas podem trazer reações alérgicas para o resto da sua vida.

 

                                                                                                 **

 

 

EVENTO #EUSOUMAAD TEM SUA PRIMEIRA EDIÇÃO NO RJ

 

Durante os dias 9 e 10 de agosto de 2021 aconteceu o #EUSOUMAAD - 1º Encontro de Masters Adore no Rio de Janeiro. O workshop reuniu profissionais de todo o Brasil em treinamentos, palestras, dinâmicas e muita troca de conhecimento.


Um coquetel encerrou o #EUSOUMAAD com o tema Tapete Vermelho, a recepção fez uma brincadeira como a entrega do Oscar, onde as estrelas foram os convidados: educadores, parceiros comerciais e colaboradores da empresa.

 

 

PESQUISA INÉDITA SOBRE O MERCADO DE UNHAS NACIONAL

 

Pelo segundo ano consecutivo, profissionais de unhas têm a oportunidade de participar de uma pesquisa direcionada totalmente para o seu segmento. Tal levantamento é inédito e idealizado pelo Instituto EnLife, pioneira e maior escola de capacitação de profissionais de unhas do país.

 

A pesquisa tem como objetivo mensurar e entender melhor o mercado de unhas para que possam ser feitas melhorias diretamente à este público.

 

Para participar da pesquisa, que termina dia 20 de maio, basta acessar o link

 

                                               **

Homem ignora preconceito, torna-se 'manicure' e atende mais de mil mulheres

 

O empresário Wallace Costa tinha 13 para 14 anos quando se ofereceu para fazer a unha de Priscila, filha de dona Lena, sua vizinha na favela Kelsons — uma das dezesseis que compõem o complexo da Maré, no subúrbio do Rio. O garoto finalizou tão surpreendentemente bem o trabalho que, na sequência, já o encaminharam para repetir a dose com a irmã de Priscila, Ingrid. Um mês depois, ele estava fazendo curso de manicure.

 

Viado ou homem?

 

Segundo o dicionário Michaelis, "manicure" significa "mulher especializada no tratamento e embelezamento das unhas das mãos e dos pés; manicura". Partindo dessa definição, como classificar a função de Wallace? "Eu achei que ele fosse viado", diz a dona de casa Jessica de Abreu, 24 anos, que no momento submete suas unhas de cerca de 3 cm de comprimento à manutenção mensal. "Fui ver que ele era 'homem' quando fiz o primeiro alongamento [de unha]."

 

Heterossexual, pai de família

 

No início, os conhecidos do 'manicuro' (alguns dicionários incluem o termo no masculino) acharam o interesse dele estranho. "Quando eu comecei a fazer o curso, foi sinistro. Mas logo todo mundo viu que não tinha nada a ver, que aquele pensamento [preconceituoso] é coisa de gente fraca da cabeça", diz Wallace, que tem 30 anos, é heterossexual, casado, pai de um filho de 2. Muito empreendedor, ele soube transformar o preconceito em marketing a favor. "Eu tô aqui para quebrar tabu!", afirma ele, muito obsequioso.

 

In english, please

 

Quase vinte anos depois de fazer seu début com as filhas de dona Lena, Wallace Costa calcula já ter atendido mais de mil mulheres. Ele parece ter perdido o interesse em falar de cutilagem e esmaltação (cortar, lixar, tirar a cutícula e pintar). Autodefinido "O Rei das Unhas", Wallace considerou o significado do termo "manicure" encontrado no dicionário — no masculino ou feminino — insuficiente para classificar o que faz. Preferiu algo in english. Ele agora é nail designer.

Após lixar as unhas originais da cliente até ficarem bem curtas, o profissional aplica sobre elas a peça feita de acrílico e gel (ou fibra de vidro e gel, ou porcelana), usando uma espécie de pinça grande. Para acelerar a fixação, introduz-se a região da ponta dos dedos em uma pequena cabine que emite raios de luz LED ou ultravioleta. Na finalização, a/o manicure/o cria combinações de cores e mosaicos que eventualmente nem ele consegue reproduzir. Wallace

 

Costa é um artista.

 

Nas redes sociais, onde diz ter 400 mil seguidores ("juntando tudo"), ele posta fotos em que seu peitoral tatuado disputa atenção com o lustre de pedrarias do living; no gazebo forrado de branco do terraço, o neil designer aparece apenas de sunga, os dedos ornados com anéis grandes e cintilantes, olhando pensativamente para um ponto qualquer do estofado; em alusões mais familiares, posa com o filho deitado em seu torso nu; e com o rosto colado no da mulher grávida, ambos de olhos fechados, ele sem camisa, ela de bustiê de paetê fúcsia.

 

Letras douradas

 

O studio de Wallace segue a mesma estética. Instalado no segundo andar de um prédio na esquina da rua Arroz com a Feijão, no centro comercial atacadista da Penha, zona norte do Rio, o lugar apresenta uma suntuosidade estilizada. Em prateleiras estrategicamente iluminadas, ao lado da mesa em que Wallace atende, há dezenas de frascos de esmaltes coloridos. Em uma das paredes, corusca o brasão dourado do rei das unhas, e o nome dele grafado em letras garrafais.

Na sexta-feira, 9, à tarde, hora em que a coluna chegou ao studio, havia três mulheres entregando suas unhas aos cuidados de Wallace. Cada uma investiu cerca de 3 horas e R$ 200 reais. O valor é desembolsado no primeiro alongamento e a cada 30 dias, na manutenção.

 

R$ 200, todo mês?

 

As mulheres reagem à pergunta como se estivessem falando de um troco. Wallace parece ofendido. "Tá achando caro? Isso é arte, amigo", diz. "E olha, 70% da minha clientela vem da comunidade. Não é da zona sul não." Ora, vejam. O Brasil inteiro achando que o Rio está enfrentando o abandono institucional, o esculacho administrativo e a ruína financeira, e as consumidoras das unhas alongadas by Wallace Costa esbanjando notas de R$ 200.

 

Unhas, cabelos e cílios

 

"Ai do meu marido, se não pagar", diz, com expressão ameaçadora, a vendedora Fabiana Ferrari, 42. Enquanto investiga o canto das unhas, ela explica que Wallace aplicou nas dela uma mistura de madrepérola com folha de ouro. Pergunto se os cabelos fartos também passaram por alongamento. "Sim. Os cílios eu vou colocar amanhã."

"Ninguém aqui gosta de nada curto", informa Jessica, em carioquês castiço.

 

Só às sextas-feiras

 

Para mostrar que as clientes do studio são muito mais dependentes de Wallace do que Wallace delas, o assessor de imprensa do nail designer informa que ele só atende às sextas-feiras. Entre tímido e indiferente, Wallace Costa afirma que quando não está "com preguiça" alonga as unhas de seis mulheres em um dia. "No resto da semana, ele ministra cursos por todo o país. Já formou quatro mil pessoas", diz o assessor.

 

Dedão feio e rasteirinha

 

Por aqueles dias, Wallace recebia a visita de uma manicure de Cuiabá que, depois de uma depressão pós-parto, voltou ao "mundo das unhas" graças a ele. Caroline Gabriela Araújo dos Santos, ou Caroline Cgas, se emociona ao contar o empurrão que recebeu do professor. "Eu era admiradora do Wallace nas redes sociais, mas nunca tínhamos nos comunicado. Há cinco meses, eu me armei de coragem e mandei uma mensagem para ele. Achei que não teria resposta, mas não só ele entrou em contato como me chamou para ser representante dos cursos dele no Mato Grosso." Recuperada da emoção, ela conta que começou a fazer alongamento há 7 anos, incluindo melhorias estéticas nos pés. "Se você trabalha bem a unha de um dedão feio, dá até para reconstruir a imagem de um pé. Tem mulher que não sai de rasteirinha porque sente vergonha!".

 

Por fim...

 

A pergunta que não quer calar: unhas grandes não seriam um "ambiente favorável" à proliferação de fungos? "De jeito nenhum. A unha é selada com um produto, a gente faz a assepsia dela", afirma Wallace, e mostra um frasco preto: "É meu patrocinador." Nem precisava dizer.

 

Fonte: Uol

 

 

2.jpg

Manicura dos primórdios aos tempos modernos


Você sabia que se embeleza as unhas há 5.000 anos?


Escritos chineses descrevem o processo de longas unhas que separavam a nobreza da plebe, onde as cores vermelho e preto eram de uso exclusivo da realeza. Também há registros na antiga Babilônia onde guerreiros pintavam as unhas antes do combate.  Descobertas arqueológicas revelaram um conjunto de manicure de ouro maciço parte de um equipamento de combate. O povo inca também tinha um costume similar aos babilônicos.


A última faraó do Egito, Cleópatra, usava um marrom-escuro em suas unhas. Já Nefertiti, outra rainha egípcia, usava o vermelho-rubi de tonalidade intensa. A Nail Art é um conceito moderno, porém os Incas em 1500 já decoravam as suas unhas com águias.


Por volta de 1880 as mulheres começaram a colorir as unhas bem curtas utilizando pigmentos de alimentos e sumo de frutas. Mas em ambiente privado, devido a rigidez social da época. Trinta anos depois surgia um intrumento para empurrar a cúticula, que antes era retirada com ácidos ou tesoura.
Em 1892 salões de manicure se ploriferaram pela Europa. Porém apenas em 1920 passou a se tornar uma prática comum no Brasil.


O cuidado com as unhas ganhou visibilidade no cinema mudo e posteriormente com a Era de Ouro de Hollywood, onde as grandes estrelas usavam as unhas embelezadas, lançando tendências que eram copiadas por tantas mulheres. E até os dias de hoje, as estrelas das novelas servem de inspiração.


Na década de 1930 a elegância e sofisticação fizeram história com esmaltes de tom vermelho intensos. E também surgiam pigmentos de esmaltes com diversas cores, o óleo de cutílula e removedor de cutícula.
Em 1934 um dentista em Chicago desenvolveu a primeira unha artificial utilizando materiais de prótese dentária. No entanto eram próteses duras e que causavam desconforto para as unhas. Com o avanço da tecnologia e pesquisas, surgiram próteses mais maleáveis utilizando acrílico à base de monômero.


Nos anos 70 as unhas artificiais destacavam-se com glamour e prestígio: longa, grossa e opaca. Já nos anos 90 abraçam de vez as unhas artificiais rosa e branco com aparência super natural. Preços acessíveis e diversas promoções nos salões atraíam cada vez mais novos consumidores.


Os anos 2000 foram a renascença do gel trazendo tanto os sistemas de cura em UV, como também em LED.

 

site.jpg

Nada de básico: cores e estilos para renovar as unhas no verão 2021

 

Com a estação quente, as unhas ganham um colorido todo especial: aquele nude básico que foi tendência absoluta em 2020 dá espaço a tons mais vibrantes. As apostas para o verão 2021 vão desde os vermelhos abertos, queridinho das brasileiras, até as chamadas candy colors - cores pastéis e delicadas que mais parecem doce. As unhas decoradas também seguem em alta em 2021, especialmente aquela nail art elegante e nada minimalista. Quem disse que o brilho dos cromados e a aplicação de glitter valem apenas para a noite?

 

Na pandemia, as mulheres passaram a brincar mais com estas referências, trazendo para as unhas elementos que até então eram moda apenas nas roupas. "O degradê e a volta do tie-dye foram os grandes incentivadores para essa tendência", acredita Roberta Vieira Mendonça, coach em estilismo de unhas no Rio de Janeiro (RJ).

 

Unhas coloridas no verão 2021 Sem dúvidas, o calor pede cores alegres, como o amarelo, laranja e pink. Assim como versões pastéis de tons como azul, lilás e verde. E nada de uma cor só: variar nas nuances de um mesmo tom ou apostar em detalhes como colorido na francesinha, por exemplo, já deixa as unhas com aspecto repaginado. Se o metalizado reinou em 2020, é o cromado que pretende fazer sucesso em 2021. O efeito espelhado na superfície das unhas confere um brilho extra e chama ainda mais atenção para as mãos. Universa separou 7 tendências em cores e estilos que prometem destacar as unhas no verão 2021:

 

Candy color

 

Tons pastéis e coloridos vieram para ficar, já que permitem várias combinações e estilos diferentes em unhas bem femininas. E vale tudo: desde uma unha de cada cor, mistura de tons distintos e até uma "filha única", com apenas uma unha pintada nesta tonalidade. É só usar a criatividade!

 

Francesinha colorida

 

A tradicional francesinha deixa o branco romântico de lado e se joga nas cores neste verão. "As francesinhas coloridas estão em alta, principalmente pintando a base da unha com uma cor nude e as pontas com cores fortes, entre elas, os tons fluorescentes são ótimas opções", destaca a manicure Milene de Oliveira, do Hermas Beleza de Campinas (SP).

 

Unhas skittles

 

Não é exatamente uma novidade, mas as skittles nails levam a cada uma das unhas as referências das balinhas multicoloridas. Na prática, é só investir em esmaltes de diversos tons e pintar uma unha de cada cor. "A mistura de tons promete para 2021, seguindo inclusive a indicação do Pantone 2021 que nos surpreendeu com a escolha de duas cores", afirma Roberta, em uma referência aos tons cinza "Ultimate Gray" e o amarelo "Illuminating".

 

Luxo cromado

 

Para a especialista Roberta Vieira, o efeito cromado será uma das grandes apostas em decoração de unhas para o ano que vem. O efeito metálico do cromado reflete luz em sua superfície que confere um ar fashion às unhas, trazendo um toque moderno e ares futuristas em 2021.

 

Mais brilho

 

Se joga no brilho! O glitter garante um efeito extra às unhas que vai muito além do esmalte cintilante. E não faltam inspirações para aderir a este brilho extra: uma unha só para as mais discretas até um mix de texturas com esmalte fosco para quem não tem medo de ousar. E tem um bônus: "O glitter é uma ótima opção porque ele ajuda a segurar o esmalte por um período maior de tempo", conta a manicure Milene.

 

Tie-dye

 

Do guarda-roupa para as unhas: a técnica do tie-dye chegou também às mãos das fashionistas e promete seguir no verão 2021. O estilo "manchadinho" com uma pegada psicodélica traz uma decoração de unha diferente para fugir da mesmice com as tendências da moda.

 

Cores quentes

 

Não há como negar: o vermelho vivo nunca sai de moda e está entre as cores de esmalte favoritas das brasileiras. É sinônimo de elegância, não só no verão como também no ano inteiro. Para 2021, tons abertos e nada discretos saem na frente e aparecem ao lado de nuances quentes como laranja e pink.

 

Dica para fazer as unhas em casa

 

Boa parte das mulheres aproveitou a quarentena para manter a manicure em dia em casa. Independente da escolha da cor ou decoração, fazer as unhas sozinha pode não ser nada fácil. O truque da manicure Milene de Oliveira é sempre usar uma lixa para polir a superfície das unhas, retirando toda oleosidade. Com isso, a duração do esmalte é maior. Mas, para quem não vive sem a unha perfeita do salão, vale buscar uma profissional que respeite as regras de biossegurança. "Uma dica para manter o distanciamento social é usar esmalte em gel, assim você terá um espaço maior de tempo entre as idas ao salão. Para fazer a unha em casa, eu diria para apostar em óleos para hidratação das cutículas, afinal álcool é indispensável porque essa área resseca muito", finaliza Roberta.


Fonte: Universa / Uol.